Cientistas Brilhantes

Alessandro Giuseppe Antonio Anastácio VoltaAlessandro Giuseppe Antonio Anastásio Volta

Cientista autodidata italiano que se consagrou ao construir a primeira pilha elétrica.

18/02/1745   05/03/1827

Alessandro Giuseppe Antonio Anastásio Volta nasceu na cidade de Como, no norte da Itália, região que, na época, era controlada pela Áustria. Filho mais novo do ex-jesuíta Filippo Volta, Alessandro viu todos os seus seis irmãos e irmãs tornarem-se religiosos e, em consequência, a doutrina da Igreja foi parte importante de sua formação. Aos 7 anos, depois do falecimento de seu pai, Volta foi morar com um tio, também religioso, que assumiu sua educação e o matriculou no colégio jesuíta local, onde sua agilidade mental logo chamou a atenção dos professores.

Em 1765, já com 20 anos, Volta e um amigo, o cônego Giulio Cesare Gattoni, arrendaram uma propriedade onde instalaram o primeiro para-raios da cidade, um laboratório científico e um museu, com coleções de história natural. Lá, o autodidata Volta concluiu seu primeiro estudo sobre como obter eletricidade por meio do atrito e projetou uma máquina para aproveitar as propriedades elétricas da seda. Em 1769, ele publicou dissertação na qual reinterpretava a teoria de Benjamin Franklin e desenvolvia o conceito de que toda a matéria possui um fluido elétrico em equilíbrio, que poderia ser liberado se esse equilíbrio fosse quebrado por atrito ou por pressão.

Em 1774, Volta foi contratado como professor de física em uma escola de ensino médio de Como e, no ano seguinte, inventou a eletróforo, dispositivo que podia acumular e manter permanentemente eletricidade estática. Em 1778, Volta isolou o gás metano, o que lhe rendeu ótima reputação no meio científico e apoio para uma viagem oficial, oferecida pelo governo austríaco, para os principais centros de ensino da Europa. Em 1779, aos 34 anos, assumiu a cátedra de física da Universidade de Pavia, onde continuou com suas pesquisas e inventou outros dispositivos que envolviam eletricidade estática. Em 1791, Volta foi nomeado membro e recebeu a medalha Copley, da Royal Society de Londres.

Sua invenção mais importante surgiu em 1800 quando, após estudar as anotações de Luigi Galvani sobre os movimentos agitados de uma rã morta, Volta demonstrou que a origem da corrente elétrica descoberta por Galvani não estava na rã em si, mas sim no contato dos seus nervos com metais, num meio ionizado. Para provar sua teoria, Volta empilhou discos de cobre e de zinco separados por discos menores de flanela e cartões embebidos em água salgada e ácido sulfúrico e construiu a primeira pilha química, fonte de corrente elétrica contínua. Seu invento foi apresentado no dia 20 de março daquele ano para os outros membros da Royal Society e, em 1801, a convite de Napoleão, foi a Paris para fazer uma demonstração de suas pesquisas. Na capital francesa, recebeu do imperador a medalha da Legião de Honra e feito senador do reino da Lombardia.

Embora suas principais pesquisas tenham sido no campo da eletricidade, Volta também desenvolveu trabalhos importantes sobre a fabricação industrial de vacinas e de amianto, Meteorologia e pneumática. A unidade de tensão, ou de força eletromotriz, recebeu o nome volt em sua homenagem.

Andre Marie AmpereAndré Marie Ampère

Professor, físico, matemático, químico e filósofo francês cujos estudos constituíram o fundamento da eletrodinâmica.

22/01/1775 10/06/1836

André Marie Ampère nasceu em Lyon, na França, em 1775. O pai, Jean-Jacques, era comerciante e, logo após o nascimento do filho, mudou-se com a família para a cidade vizinha de Poleymieux. Desde cedo, Ampère demonstrou ser apaixonado por matemática e estudava sozinho, na biblioteca do pai, a teoria dos números e geometria. Enquanto isso, sua mãe Jeanne, mulher devota, cuidou para que o filho recebesse também instrução na fé católica. Dessas duas vertentes, nasceu seu interesse pela metafísica, que moldou sua relação com a ciência. Em 1793, no período de terror que se seguiu à Revolução Francesa, seu pai foi julgado e executado na guilhotina. Depois disso, durante um ano, Ampère isolou-se, reduzindo ao mínimo seu contato com o mundo exterior. Foi nesse período que encontrou Julie Carron, que viria a ser sua companheira.

A paixão por Julie despertou-lhe novamente a alegria de viver, e Ampère, renovado, passou a lecionar matemática em Lyon. Em 1802, começou a trabalhar em um artigo original sobre a teoria das probabilidades aplicada aos jogos de azar, cujo sucesso lhe rendeu emprego de professor na École Polytechnique de Paris e lhe franqueou a entrada para a Académie des Sciences.

A partir de então, Ampère passou a ter em suas pesquisas um objetivo: descobrir as relações entre os fenômenos e criar uma teoria na qual essas relações pudessem ser deduzidas matematicamente. Assim, iniciou seus estudos tentando descobrir a relação entre eletricidade e magnetismo. Ele queria provar que magnetismo nada mais era do que eletricidade em movimento e, por isso, foi o primeiro a usar o termo corrente elétrica. Em 1827, desenvolveu o modelo eletrodinâmico no qual descreveu as leis da ação das correntes elétricas, demonstrando, matematicamente, a igualdade dos valores de repulsão e atração. Neste mesmo ano, Ampère apresentou à Academia outros estudos, estabelecendo as bases científicas que unificavam os campos da eletricidade e do magnetismo, em uma teoria completa.

Todavia, nem todos aceitaram suas ideias, sendo seu principal opositor Michael Faraday, que dizia que elas baseavam-se em hipóteses para as quais não existia evidência. A teoria de Ampère, entretanto, foi aceita por William Weber e se tornou a base de todos os seus estudos. No final da vida, Ampère dedicou-se a concluir seu ensaio sobre filosofia da ciência e uma classificação das ciências. Morreu em Marselha e em sua honra ampère é a unidade de medida de intensidade da corrente elétrica (um coulomb por segundo) no Sistema Internacional de Unidades.

Benjamin Franklin

Benjamin Franklin

Tipógrafo, ensaísta, líder cívico, cientista, estadista, diplomata e herói da independência norte-americana que descobriu inúmeras propriedades da eletricidade.

17/01/1706  17/04/1790

Benjamin Franklin nasceu em Boston, em 1706, numa família humilde e numerosa – tinha 16 irmãos -, cujas dificuldades financeiras fizeram que com que ele fosse retirado da escola aos 10 anos para trabalhar com o pai na fabricação de sabão e velas de sebo. Determinado a estudar, o menino usava os trocados que ganhava na compra de livros. Três anos depois, a família decidiu que Franklin deveria mudar de ramo e o colocou para trabalhar como aprendiz na gráfica de seu irmão James. Em 1723, aos 17 anos, Franklin mudou-se para a Filadélfia, arranjando emprego de impressor, aproveitando as horas de folga para estudar letras, ciências, francês e latim e para aprender a tocar diversos instrumentos. Em 1730, criou sua própria gráfica, fundou o jornal The Pennsylvania Gazette (mais tarde Saturday Evening Post). Três anos depois, sob o pseudônimo Richard Saunders, editou o “Poor Richard’s Almanac”, coletânea de anedotas e provérbios populares, livro que o tornou famoso.

Durante toda a década de 1730, Franklin também atuou na vida pública, fundando a primeira biblioteca ambulante dos Estados Unidos, o corpo de bombeiros da Filadélfia e o Colégio e Academia da Filadélfia, que mais tarde se transformou na Universidade da Pensilvânia. Na década de 1740, depois de tornar-se editor da revista General Magazine, Franklin resolveu deixar seus negócios por conta do sócio na gráfica, David Hall, e dedicar-se somente à política, à vida pública e à ciência experimental, especialmente ao estudo da eletricidade. Organizou um clube de leituras e debates, que deu origem à Sociedade Americana de Filosofia e ajudou a fundar o hospital do estado.

Em 1748, Franklin conseguiu o seu primeiro importante resultado científico analisando uma garrafa que acumulava eletricidade, concebida pelo professor holandês da Universidade de Leyden, Pieter van Musschenbroek (1692-1761). A garrafa de Leyden, como é conhecida, é um tipo primitivo de condensador ou capacitor, com o qual Franklin descobriu os dois “estados da eletricidade”, que depois batizou de cargas positiva e negativa, termos utilizados até hoje. Durante a década de 1750, Franklin destacou-se no mundo científico publicando artigos nos mais importantes periódicos da área e recebendo graduações honorárias das universidades de Harvard e de Yale, além de diversas distinções, entre elas a medalha Copley, da Royal Society de Londres. Seu primeiro livro científico de sucesso, “Experiments and observations on electricity”, de 1751, obteve grande repercussão.

Um ano depois, passou a estudar a capacidade dos corpos para atrair ou repelir eletricidade e resolveu fazer uma experiência inédita, em Marly, na França. Colocou uma longa haste pontiaguda ao longo de um edifício, certo de que a haste poderia atrair o “fogo elétrico” das nuvens e conduzi-lo diretamente para a terra. Para provar sua teoria, Franklin mandou um de seus empregados segurar uma barra de cera pela qual passava um fio de arame que ligava a haste ao chão. O raio veio, passou pela haste e pelo fio, e o homem não se machucou, protegido pela barra de cera e por um estrado limpo e seco que funcionaram como isolantes. Era o primeiro para-raios. Ainda em 1752, Franklin realizou a experiência que o tornou famoso em todo o mundo. Visando provar a eletrificação das nuvens, ele empinou uma pipa durante uma tempestade, comprovando que os raios são descargas elétricas que podem ser captadas e conduzidas através de fios.

Em 1760, em seus estudos paralelos sobre óptica, Franklin inventou os óculos bifocais. Em 1775, retornou à Filadélfia, convencido de que a guerra pela independência dos Estados Unidos era

iminente. Um ano depois, designado delegado no II Congresso Continental, Franklin fez parte, com Thomas Jefferson e Samuel Adams, do comitê que redigiu a Declaração de Independência americana. Em seguida, partiu para a França como embaixador, em busca de ajuda para os Estados Unidos, assinando o tratado de aliança entre os dois países, e um tratado de paz com a Grã-Bretanha. De volta à Filadélfia em 1785, foi recebido como herói e eleito presidente da Pensilvânia. Como delegado da convenção que elaborou a Constituição americana, Franklin tentou em vão abolir a escravidão. Como homenagem, os norte-americanos puseram a efígie de Franklin na cédula de US$ 100 .

 

Emile BerlinerEmil Berliner

Inventor alemão naturalizado norte-americano, que inventou o gramofone e aperfeiçoou o telefone.

03/05/1851  03/08/1929

Emil Berliner nasceu em 1851 em Hanover, na Alemanha, tendo emigrado para os Estados Unidos em 1870, estabelecendo-se em Washington. Enquanto trabalhava em um estábulo, interessou-se pela recém-criada tecnologia do telefone, passou a fazer pesquisas tentando melhorar o transmissor de Alexander Graham Bell, um dos primeiros tipos de microfone. Em 1876, Berliner requereu uma série de patentes de aperfeiçoamentos nos aparelhos de Bell e foi contratado como inspetor-chefe da Bell Telephone Company, em Boston, onde trabalhou de 1877 a 1883.

Em 1885, ao voltar para Washington, Berliner começou a experimentar novos métodos de gravação de som, com a intenção de substituir os cilindros do fonógrafo de Thomas Alva Edison, que se desgastavam com facilidade. Em 1887, após poucos meses de trabalho, Berliner recebeu a primeira patente do aparelho que chamou de gramofone e, no ano seguinte, apresentou o primeiro disco flexível gravável. O protótipo, porém, não despertou interesse e , durante muitos anos, Berliner não conseguiu patrocinador – ninguém acreditava no futuro comercial da engenhoca dotada de uma enorme campânula, destinada a extrair sons de um disco circular, feito de zinco, com 12 centímetros de diâmetro, que girava a 150 rotações por minuto e tocava durante apenas um minuto apenas.

Em 1895, finalmente, Berliner convenceu a Companhia Ferroviária da Pensilvânia a investir US$ 25 mil no projeto e levou adiante as pesquisas que lhe permitiram registrar, em novembro de 1898, num cartório de Hanover, na Alemanha, a empresa Deutsche Grammophon Gesellschaft. Nos Estados Unidos, em 1901, Berliner se associou a Eldridge Johnson, engenheiro especialista em motores de rotação, e fundou a Victor Talking Machine Company. Depois que Berliner faleceu, em 1926, Eldridge Johnson vendeu a Victor Talking Machine Company para um banco que a revendeu para a Radio Corporation of America (RCA).

Etienne-Jules MareyEtiènne-Jules Marey

Médico fisiologista e fotógrafo que se tornou um dos precursores do cinema.

1830 1904

O francês Etiènne-Jules Marey nasceu em 1830, em Beaune. Formado em medicina, especializou-se em fisiologia humana e animal e começou sua carreira como cirurgião assistente em 1855. Desde o início de sua prática, Marey rejeitou os métodos de análise de sintomas que se utilizavam apenas dos sentidos, preferindo fazer seus diagnósticos baseado nos resultados obtidos por aparelhos.

Após o período em que foi professor assistente na Escola Veterinária de Lyon, Marey passou a desenvolver seus próprios instrumentos, visando melhorar e aperfeiçoar aparelhos já existentes, principalmente os que faziam a medição da circulação sanguínea. O primeiro aparelho desenvolvido foi o esfigmógrafo, em 1860, que permitia o registro das ondas de compressão sanguínea das pulsações humanas. O esfigmógrafo era composto por um captador sensível que se apoiava sobre o pulso do paciente e que era ligado a uma alavanca de metal bem leve. Os sinais emitidos pelo captador promoviam o movimento da alavanca, que deixava marcas sobre um papel esfumaçado, tracionado por um mecanismo de relógio. Os métodos de monitoração do sistema cardiovascular de Marey permitiram a padronização dos instrumentos médicos de forma a poderem ser usados em diagnósticos clínicos em qualquer lugar.

Em 1868, após ser nomeado professor de História Natural no Collège de France, Marey se apaixonou pela fotografia e passou a fazer estudos sobre o voo dos insetos e sobre cavalos em movimento. Para observar melhor os animais que estudava, Marey inventou, em 1870, o cronógrafo, instrumento capaz de medir os intervalos de tempo entre fotografias sequenciais. Em 1887, ele apresentou o cronofotógrafo, que permitia reunir várias imagens em tiras de papel que passavam automaticamente por uma máquina também inventada por ele. O novo equipamento de Marey, tracionava as tiras de papel e as reproduzia a 23 quadros por segundo, proporcionando uma série de projeções sucessivas

em intervalos de tempo tão curtos que o espectador via o movimento completo, em todas as suas fases. Por esta invenção, alguns o consideram o verdadeiro pai do cinema, em lugar dos irmãos Lumière.

Etiènne-Jules Marey foi presidente da Sociedade Fotográfica francesa e, nos últimos anos de sua vida, dedicou-se ao estudo da aerodinâmica, baseado no voo dos pássaros.

Georg Simon OhmGeorg Simon Ohm

Físico, químico e professor alemão, descobridor dos fundamentos da eletrocinética, ramo que estuda as correntes elétricas em movimento.

16/03/1789 06/07/1854

Georg Simon Ohm nasceu em Erlangen, em 1789, filho de um próspero mestre serralheiro, autodidata que admirava matemática, física, química e filosofia. Ohm estudou no ginásio de sua cidade natal , que enfatizava o aprendizado de interpretação e tradução de textos, e se formou em física pela Universidade de Erlangen em 1813, tendo logo sido contratado como professor de matemática em um instituto de educação em Gottstad. Em 1817, recebeu convite para lecionar matemática e física no ginásio jesuíta de Colônia, que estimulava a formação científica e tinha um laboratório bem equipado.

Foi em Colônia que ele passou a se interessar por eletricidade e magnetismo. Seu primeiro artigo científico, publicado em 1825, enfocava a condução de eletricidade por determinados metais. Um ano depois, Ohm aceitou emprego temporário para dar aulas na Escola de Guerra de Berlim, onde esperava que suas qualificações lhe abrissem as portas para o sonhado título de professor universitário. Lá se revelou um hábil pesquisador, desenvolvendo experiências com instrumentos que ele mesmo fabricava e descobrindo as leis que regem a condução de energia elétrica, os materiais condutores, semicondutores e as resistências, e ainda relacionando potencial, resistência e corrente elétrica. O resultado dessas pesquisas foi publicado em 1827.

Em 1830, Ohm comprovou matematicamente o fenômeno da polarização das pilhas e passou a medir a tensão das correntes elétricas por meio de um eletroscópio. Descobriu que a tensão das correntes nas pilhas aumentava quando também aumentava o número de pares metálicos delas. O trabalho não encontrou reconhecimento rápido, em grande parte porque, naquela época, os cientistas não utilizavam a matemática no estudo da física. Em 1833, Ohm obteve o tão almejado título de professor universitário, passando a lecionar na Escola Politécnica de Nuremberg. Em 1841, ele teve seus trabalhos reconhecidos no exterior e ganhou uma medalha Copley, da Royal Society de Londres, mas na Alemanha, seu país de origem, porém, suas teorias só foram reconhecidas depois. Em 1849, Ohm assumiu a cadeira de física experimental da Universidade de Munique, onde ficou até a morte. Como homenagem, seu sobrenome foi dado à unidade de resistência elétrica.

Alexander Graham BellAlexander Graham Bell

Médico e professor escocês, naturalizado norte-americano, cujos estudos sobre a transmissão do som por corrente elétrica deram origem ao telefone.

03/04/1847 1922

Alexander Graham Bell nasceu em Edimburgo, na Escócia, filho de Alexander Melville Bell, instrutor de surdos-mudos e autoridade em elocução e correção da voz. Em seus estudos na Escola Superior de Edimburgo e, depois, na University College de Londres, Bell se dedicou ao trabalho de difusão do método de dicção do pai, que consistia em associar um desenho a cada som fonético para poder comunicar-se com os surdos e educá-los mais facilmente.

Em 1870, quando Bell contraiu tuberculose, a família resolveu emigrar para o Canadá, onde permaneceu por um breve período, mas, já em 1872, estava na Alemanha, onde se formou em medicina. Em seguida, estabeleceu-se em Boston e, graças ao título de Doutor em Medicina e à experiência adquirida com o pai, abriu uma escola para diplomar instrutores de surdos-mudos. A carreira segura lhe permitiu trabalhar tranquilamente e dedicar-se às experiências de acústica, que desde os tempos universitários tinham atraído sua atenção.

Bell iniciou estudos sobre a transmissão da voz humana, nas suas múltiplas modulações. Durante esse período, dava aulas particulares a Mabel Hubbard, moça surda-muda, por quem acabou por se apaixonar e com quem casou-se. O pai de Mabel, Gardner Hubbard, passou a financiar as experiências de Bell e, posteriormente, se tornou o primeiro presidente da American Bell Telephone, empresa fundada pelo genro. Em 1875, suas pesquisas levaram Graham Bell à invenção do microfone e, um ano depois, em 1876, a um dos inventos mais notáveis de todos os tempos: o telefone, que transformou o médico em uma figura de destaque nos meios científicos e tecnológicos, mas por pouco não a invenção não lhe escapou das mãos: Bell teve que recorrer à Justiça para garantir a patente do novo aparelho e só obteve a vitória não ação por tê-la requerido duas horas antes de Elisha Gray.

Em 1880, a Academia de Ciências francesa concedeu ao inventor escocês (só naturalizou-se dois anos depois) o Prêmio Volta, doado integralmente por ele para pesquisas sobre a surdez. Em1890, novo prêmio: do Instituto de Paris pelo aperfeiçoamento do gramofone. Além disso, Bell foi presidente da National Geographic Society dos Estados Unidos entre 1898 e 1903; fundou a Associação Americana de Ensino de Surdos e Mudos; foi diretor do Smithsonian Institute e da Sociedade Nacional de Geografia dos Estados Unidos, e professor de fisiologia vocal da Universidade de Boston. Bell também projetou sistemas de comunicação sem fio como o fotofone, que transmitia sons por meio de vibrações luminosas, e inventou o audiômetro, aparelho com que se mede a acuidade auditiva. Em 1915, o inventor realizou a primeira ligação telefônica transcontinental americana, de Nova York para

seu assistente Thomas August Watson, em São Francisco. Graham Bell passou os últimos anos de sua vida na ilha de Cape Breton, na Nova Escócia, no Canadá, onde morreu.

Guglielmo MarconiGuglielmo Marconi

Engenheiro e cientista italiano, inventor da telegrafia sem fio, que ficou conhecido como o pai do rádio.

25/04/1874  20/07/1937

Filho do abastado proprietário de terras Giuseppe Marconi e da irlandesa Annie Jameson, Guglielmo Marconi nasceu em Bolonha, Itália, em 1874, mas teve uma educação formal limitada a aulas particulares e alguns poucos anos de estudo no Liceu Leghorn.

Em 1894, Marconi, que trabalhava para o governo italiano, soube das experiências de Heinrich Hertz com ondas eletromagnéticas e ficou curioso por saber a distância que tais ondas alcançariam. Passou, então, estudar o tema com o auxílio do professor A. Righi, também de Bolonha, até conseguir construir seu primeiro aparelho, em 1895, valendo-se de um oscilador inventado por Hertz, uma antena criada pelo físico russo Alexander Stepanovich Popov, e um detector de ondas denominado coesor, inventado por Edouard Branly.

Ressentido com a falta de apoio do governo italiano, Marconi mudou-se para Londres em fevereiro de 1896, em busca de financiamento para suas pesquisas. Até então, suas transmissões não chegavam a ultrapassar 1,5 milha, comprimento de uma das propriedades da família. Com a colaboração de um primo, Jameson Davis, Marconi realizou com êxito uma demonstração do telégrafo sem fios para homens do governo inglês. O primo também o ajudou a preparar um pedido de patente para seu

aparelho e a criar a Wireless Telegraph and Signal Company, que, em 1900 transformou-se na Marconi’s Wireless Telegraph Company.

Em 1901, Marconi realizou uma transmissão da Córsega, ilha localizada no Mar Mediterrâneo a oeste da Itália, para o continente. Nessa época ele já havia conseguido ampliar o alcance das transmissões para 150 milhas e decidiu tentar a transmissão transatlântica. Construiu então uma torre na Cornualha, Inglaterra, e uma grande antena receptora no Cape Cod, em Massachusetts(EUA), que foi derrubada por fortes ventos. Marconi então substituiu a torre por um antena e um receptor telefônico carregados por uma pipa, o qual, em 12 de dezembro de 1901, recebeu um sinal codificado de três pontos, feito que parecia impossível de acordo com a tese de que a telegrafia sem fio estaria limitada a curtas distâncias por causa da curvatura da Terra. Um ano depois, Marconi obteve a patente para um detector magnético de ondas e, no ano seguinte, sua empresa criou um serviço regular de transmissão de notícias entre o Reino Unido e os Estados Unidos. Em 1905, recebeu a patente das antenas direcionais e, em 1907, o rádio passou a ser utilizado comercialmente pela indústria da navegação.

Por suas contribuições para o desenvolvimento da comunicação sem fio, Marconi dividiu o Prêmio Nobel de Física de 1909 com o alemão Karl Ferdinand Braun. Em 1912, lançou o sistema de transmissão por centelha, o timed spark system, que permitiu, dez anos depois, a ligação entre o Reino Unido e a Austrália. Na Itália, Marconi foi nomeado senador em 1914, marquês em 1929 e presidente da Real Academia em 1930. Em 1931, Guglielmo Marconi quem transmitiu de Roma, na Itália, o sinal que ligou o sistema de iluminação do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Heinrich Rudolf HertzHeinrich Rudolf Hertz

Professor e físico alemão, pioneiro na produção artificial de ondas eletromagnéticas, de importância fundamental para o desenvolvimento do rádio, da televisão e do radar.

22/02/1857  01/01/1894

Filho mais velho de Gustav Hertz, proeminente advogado e político alemão, Heinrich Rudolf Hertz iniciou seus estudos aos 6 anos na escola particular de Richard Lang. Na adolescência, Hertz demonstrou talento para a carpintaria e adquiriu um torno com o qual começou a produzir aparelhos espectrais e outros apetrechos relacionados ao estudo da física.

Após um breve período estudando engenharia na Universidade de Dresden, em 1877 Hertz transferiu-se para a Universidade de Munique, onde se dividia entre a inclinação para a engenharia e a física. Depois de um ano de estudos em Munique, Hertz decidiu mudar-se novamente, desta vez para Berlim, onde graduou-se em ambas as disciplinas e obteve doutorado em filosofia. Em 1880, após tornar-se assistente do professor Hermann Helmholtz, com o qual trabalhou por três anos, Hertz passou a ter um amplo laboratório de física a seu dispor e iniciou seus estudos sobre eletricidade. Em 1883, Hertz

foi ensinar física teórica na Universidade de Kiel, que não possuía laboratórios, o que acabou motivando sua transferência para a Faculdade Politécnica de Karlsruhe, em 1885.

Em 1886, disposto a ganhar o prêmio da Academia de Berlim, que versava sobre as teorias de James Clerk Maxwell, Hertz desenvolveu as teorias que o tornariam famoso. Um ano depois, construiu um oscilador com o qual conseguiu provar que as ondas eletromagnéticas propagavam-se no espaço, sem necessidade de condutores. Mais um ano e confirmou que as ondas de rádio são similares às ondas de luz, ou seja, invisíveis, mas detectáveis, transmissíveis e refletíveis, com o emprego de refletores côncavos. Descobriu também o efeito fotoelétrico, processo pelo qual se consegue liberar elétrons de um material qualquer, pela ação da radiação. Hertz trouxe uma clareza sem precedentes às teorias de Maxwell, organizando conceitos de modo que outros cientistas pudessem ir mais adiante.

Em 1889, assumiu a vaga de professor na Universidade de Bonn, e apresentou, em conferência Heidelberg, seu trabalho sobre as ondas eletromagnéticas. Hertz escreveu diversos livros importantes e seu nome passou a designar a unidade de medida da frequência elétrica e das ondas eletromagnéticas, produzidas pela oscilação de eletricidade em um condutor.

James Watt

James Watt

Engenheiro e químico que desenvolveu a máquina a vapor, equipamento que possibilitou a revolução industrial.

19/01/1736  19/08/1819

James Watt nasceu em Greenock, na Escócia, filho de um construtor naval e fabricante de instrumentos náuticos. De saúde frágil, sua frequência escolar foi um tanto irregular e, por isso, Watt absorveu a maior parte de seus conhecimentos trabalhando na oficina do pai, onde aprendeu marcenaria, ferraria, fabricação de instrumentos e criação de protótipos.

Aos 18 anos, tendo decidido seguir a carreira de fabricante de instrumentos científicos, Watt mudou-se para Glasgow, que havia se transformado em um grande centro industrial. Um ano depois, mudou-se novamente, desta vez para Londres, cidade que abandonou logo por conta do clima frio, que lhe fazia mal. Ao voltar para a Escócia, em 1757, foi nomeado fabricante de instrumentos para os laboratórios da Universidade de Glasgow e, assim, encontrando meios para desenvolver seu trabalho técnico e científico.

Em 1765, Watt fez sua primeira e mais importante invenção, patenteada quatro anos depois: o condensador para a máquina a vapor de Thomas Newcomen. A máquina de Newcomen era a mais avançada da época, mas Watt observou que a perda de grandes quantidades de calor era um defeito grave. A partir de estudos teóricos sobre calor, elaborados por seu colega Joseph Black, Watt idealizou então o condensador, dispositivo que seria mantido separado do cilindro, mas conectado a ele. No condensador, a temperatura do vapor deveria ser mantida baixa (cerca de 37º C), enquanto no cilindro permaneceria elevada. Para manter a temperatura do condensador baixa, Watt tentou conseguir o máximo de vácuo, fechando o cilindro, que antes permanecia aberto, e eliminando totalmente o ar. Criou assim uma máquina a vapor mais eficiente. Nos anos seguintes, consagrou-se ainda mais por uma notável sequência de inventos que aperfeiçoaram ainda mais a máquina a vapor, tornando-a economicamente viável e deflagrando a Revolução Industrial.

Além das diversas e notáveis contribuições para a tecnologia do vapor, Watt também criou uma máquina de desenho em perspectiva, um processo para copiar cartas, um líquido indicador para testar a acidez e uma roda a vapor para produzir movimentos rotativos, e, posteriormente, centrou seu interesse em química. Em 1766, Watt fechou sua oficina na universidade e abriu um escritório de levantamentos topográficos e engenharia civil, onde trabalhou até 1774, quando se mudou para Birmingham. Lá, formou uma sociedade com Matthew Boulton para comercializar seu projeto de aperfeiçoamento da máquina a vapor. Watt se tornou membro da Royal Society de Edimburgo e de sua congênere de Londres e se aposentou em 1800, com grande fortuna acumulada. Morreu em Heathfield Hall, perto de Birmingham. No Sistema Internacional de Unidades, watt designa a unidade de medida de potência elétrica.

John Logie BairdJohn Logie Baird

Engenheiro elétrico escocês considerado o pai da televisão.

13/08/1888  14/07/1946

John Logie Baird nasceu em Helenburg, na Escócia, em 1888, e estudou engenharia elétrica no Royal Technical College e na Universidade de Glasgow. Desde cedo, Baird mostrou veia de inventor, mas suas ideias em geral não funcionavam: tentou criar diamantes aquecendo grafite, inventou uma navalha de barbear de vidro que quebrava com facilidade, e sapatos pneumáticos, que continham balões semi-inflados que estouravam com frequência. A saúde frágil o impediu de servir durante a Primeira Guerra Mundial e fazia com que sofresse constantemente com pés frios, o que o motivou a inventar uma meia térmica, com uma camada extra de algodão no interior, que até foi razoavelmente bem-sucedida.

Em 1922, já morando em Hastings, também na Escócia, Baird começou experimentos sobre a transmissão de imagens, o que o levou, dois anos depois a a se tornar o primeiro homem a enviar imagens estáticas através de um sistema mecânico de televisão analógica. Na primeira demonstração, Baird conseguiu transmitir o contorno de objetos por uma distância de cerca de um passo e, um ano mais tarde, transmitiu rostos de pessoas que podia ser reconhecidas. Em 1926, Baird fez uma demonstração para um grupo de cientistas do Royal Institute de Londres, transmitindo imagens provenientes de um protótipo de câmera, localizado em seu próprio laboratório, por um transmissor também inventado por ele.

O reconhecimento finalmene chegou e, em 1927, o cientista fundou a Baird Television Development Company e fez a primeira transmissão transatlântica de imagens, entre Londres e Nova York. Em 1928, ele inventou um tipo de aparelho gravador de vídeo, que chamou de phonovision, e realizou a primeira demonstração da televisão em cores. Dois anos depois, assinou um contrato com a BBC e fez as primeiras tentativas de sincronização entre som e imagem. Em 1931, foi a vez da primeira transmissão ao vivo. Em 1937, o sistema mecânico de varredura utilizado pelos aparelhos de Baird foi substituído pelo sistema eletrônico.

Baird também desenvolveu estudos sobre fibra óptica, radiodifusão, raios infravermelhos para visão noturna e o radar. Não há registro oficial a respeito de sua contribuição para o desenvolvimento do radar, mas de acordo com uma declaração de seu filho Malcolm, Baird teria solicitado ao governo britânico uma patente para um dispositivo que formava imagens refletidas a partir de ondas rádio, que nunca foi oficialmente reconhecida.

Irmãos LumiereIrmãos Lumière

Os irmãos Lumière inventaram o projetor cinematográfico e se tornaram os pais do cinema.

19/10/1862  10/04/1954
05/10/1864  06/06/1948

Auguste e Louis Lumière nasceram em Besançon, na França, filhos do casal Antoine Lumière, pintor de letreiros, e Jeanne-Joséphine, lavadeira. Alguns anos depois do nascimento de Louis, a família mudou-se para Lyon, onde Antoine resolveu trocou de profissão e passou a ser fotógrafo. Cinco anos mais tarde, Antoine Lumière e ajudavam o pai, que chegou a apresentar suas fotos na Exposição de Paris em 1878, ocasião para qual encomendou uma iluminação elétrica para seu estúdio, novidade que causou furor nos espectadores.

A técnica fotográfica daqueles tempos era complexa. As placas de colódio úmido tinham de ser emulsionadas uma a uma, num quarto escuro, antes da exposição e reveladas instantes depois. Assim, a invenção e o aperfeiçoamento das placas secas, sensibilizadas de antemão, prontas para o uso e que podiam ser conservadas e reveladas muito tempo depois, foram uma grande revolução por simplificar o processo. Os Lumière, encantados com a novidade, resolveram pesquisar o tema com afinco.

Em 1881 Louis, que tinha apenas 17 anos, conseguiu fabricar suas primeiras placas secas, sem a presença do irmão, que estava servindo o Exército. Animado com a possibilidade de se tornar o único fabricante de placas secas da região, o pai procurou um galpão que lhe servisse de estúdio e passou a produzir 1.400 placas por dia. Algum tempo depois, os irmãos resolveram voltar ao laboratório, empenhados em inventar uma placa mais rápida que necessitasse de apenas alguns segundos de exposição. A placa “etiqueta azul”, que recebeu este nome por conta do rótulo da embalagem, foi vendida por nada menos de sessenta anos, transformando Auguste e Louis em respeitados

empresários – a família prosperou e passou a ser proprietária de uma fábrica de vidro, parte de uma indústria de produtos químicos e outra de papel.

Em 1891, quando Thomas Edison apresentou ao público o cinetoscópio, aparelho no qual um filme de cerca de 15 metros permitia a um único espectador observar uma cena do tamanho de um cartão de visitas, Auguste se interessou e passou a estudar um meio de captar imagens, revelá-las e projetá-las num movimento semelhante ao da vida real. Para conseguir seu objetivo, os irmãos inventaram o cinematógrafo, um engenho inspirado na máquina de costura, incrementado com um sistema de dentes que se encaixavam nas perfurações da película. Após filmar algumas tiras experimentais, Auguste e Louis organizaram uma projeção inaugural, apresentando ao público o filme “A saída da fábrica”, em março de 1895. As oitocentas imagens, com duração total de 50 segundos deixaram os espectadores embasbacados . Aproveitando o sucesso, os Lumière produziram “O jardineiro”, “Chegada de um trem à estação” e várias outras cenas que foram apresentadas no Salão Indiano, do Boulevard des Capucines, que se tornou famoso.

Os irmãos Lumière compraram salas para projeção e passaram a fabricar aparelhos e películas, além de produzir e distribuir seus próprios filmes. Sem se darem conta da importância que o cinematógrafo teria, Auguste e Louis venderam as salas a dois empresários poderosos e visionários, os irmãos Pathé e Léon Gaumont, e voltaram aos laboratórios, às emulsões e às fotografias. Também se dedicaram a estudar a eletricidade e a acústica. Auguste interessou-se ainda pela medicina e, embora não tivesse nenhum diploma, aprendeu a fazer diagnósticos, estudou e aprimorou fórmulas de vários medicamentos e tornou-se o chefe dos Hospícios da cidade de Paris. Louis Lumière morreu em 1948 aos 84 anos. Auguste, seis anos depois, com 92. “Cheguei ao fim do filme”, disse poucos dias antes.

Michael FaradayMichael Faraday

Físico e químico inglês que fez diversas importantes descobertas e demonstrou a indução eletromagnética.

22/09/1791  25/08/1867

Michael Faraday nasceu em Londres, filho de um ferreiro que tinha problemas de saúde que o impediam de trabalhar em muitas ocasiões e faziam com a família fosse muito pobre. Apesar da pobreza, a família, apesar da pobreza, tinha grande senso comunitário, pois acreditava que todos os fenômenos do universo estavam interligados, uma crença que sustentou as teorias de Faraday durante toda a sua vida.

Dos 13 aos 20 anos, Ele contribuiu para a renda familiar trabalhando como encadernador, aproveitando para ler tudo que lhe era entregue para encadernação, principalmente os textos científicos e, especialmente, os de química. Em 1810 conheceu e passou a frequentar um grupo que se denominava Sociedade Filosófica, no qual recebeu instrução básica sobre eletricidade, óptica, geografia, mecânica, química, astronomia e meteorologia. Dois anos depois, um acidente ocorrido com o cientista inglês Humphry Davy modificou a vida de Faraday. Quando examinava o cloreto de nitrogênio, uma substância muito instável, Davy ficou temporariamente cego por causa de uma explosão. Faraday, que havia anotado criteriosamente palestras do cientista na Royal Institute, remeteu-lhe suas anotações cuidadosamente encadernadas e chamou sua atenção. Pouco tempo depois, Davy o contratou como assistente e passou a levá-lo em suas viagens ao exterior

Apesar de poucos conhecimentos teóricos, o espírito de experimentação o levou a importantes descobertas em química e física. Publicou seu primeiro trabalho de sucesso em 1816, sobre análises químicas de determinados calcários. Em 1821, atraído pela experiência do físico dinamarquês Hans

Christian Oersted, desenvolveu uma série de pesquisas brilhantes que culminaram na descoberta da rotação eletromagnética, ou seja, na primeira transformação de energia elétrica em energia mecânica. A descoberta veio da observação de que um dos polos de uma pequena agulha magnética girava em círculos ao redor de um fio onde fluía uma corrente elétrica.

Em 1823, descobriu a eletrólise, um processo que separa os elementos químicos de um composto através do uso da eletricidade. No mesmo ano, conseguiu liquefazer o gás cloro reduzindo sua temperatura e aumentando a pressão. A partir daí, conseguiu liquefazer praticamente todos os gases conhecidos. No ano seguinte, graças à notoriedade conquistada por suas descobertas, entrou para a Royal Society. Em 1831, quase que simultaneamente ao cientista inglês Joseph Henry, Faraday demonstrou a indução eletromagnética, o inverso do efeito Oersted, ou seja, a transformação direta de energia mecânica em energia elétrica. Nesse mesmo ano, por meio de experiências com limalhas de ferro, descobriu e designou as linhas de força e esclareceu a noção de energia eletrostática.

Faraday foi o responsável pela introdução no Conselho de Whewell de novas terminologias na química, empregadas até hoje, como eletrólise, íons, ânion, anodo, cátion, catodo etc. Seu sobrenome passou a denominar a carga elétrica, quantidade de eletricidade necessária para libertar um equivalente-grama de qualquer substância.

Nikola TeslaNikola Tesla

Engenheiro eletricista famoso por suas descobertas no campo da eletrotécnica e pela construção do primeiro motor de corrente alternada.

10/07/1856  07/01/1943

Nikola Tesla nasceu em 1856, em Smiljan, na atual Croácia, um dos cinco filhos do sacerdote ortodoxo sérvio Milutin Tesla e de Duka Mandic, mulher que gostava de inventar ferramentas. Dotado de

memória fotográfica, desde cedo Tesla se mostrou estudante brilhante. Cursou a escola politécnica de Graz, na Áustria, onde gostava de estudar principalmente física e matemática.

Em 1880, Tesla se graduou na Universidade de Praga e foi trabalhar como engenheiro eletricista na empresa telefônica de Budapeste, na Hungria, onde interessou-se por motores e correntes elétricas. Em 1884, depois de passar um período em Paris, trabalhndo na Companhia Continental Edison, foi para os Estados Unidos, estabelecendo-se em Nova York, onde tornou-se assistente de Thomas Edison. Os atritos com Edison acabaram por fazê-lo perder o emprego dois anos depois, mas, no ano seguinte, Tesla conseguiu que patrocinadores lhe construíssem um laboratório próprio, também em Nova York, no qual iniciou pesquisas no campo da eletrotécnica e da radioeletricidade.

Em 1889, Tesla ganhou a patente de um motor de corrente alternada, uma corrente elétrica cuja direção é variável, ao contrário da corrente contínua. Um ano depois, Tesla vendeu a patente para George Westinghouse, rival de Edison na indústria da eletricidade. Westinghouse iniciou então campanha junto ao governo americano pela adoção da nova forma de corrente elétrica, que, no seu entender, era o meio mais eficiente para a distribuição de energia elétrica. Em 1891, Tesla iniciou uma série de viagens pelos Estados Unidos e pela Europa, durante as quais apresentou relatórios detalhados sobre aplicações da corrente alternada de alta frequência e outras descobertas.

A partir desse período, Tesla desenvolveu numerosos inventos de produção ou movidos a eletricidade como um pequeno motor elétrico que, nos anos seguintes, passou a ser parte integrante de diversos aparelhos de uso doméstico, como liquidificadores, batedeiras etc. Tesla registrou mais de cem patentes, entre elas o acoplamento de dois circuitos por indução mútua, que seria utilizado nos primeiros geradores industriais de ondas hertzianas; o princípio e a metodologia de criar energia através de campos magnéticos rotativos; o motor assíncrono de campo giratório; as correntes polifásicas; os comutadores elétricos, além de sistemas de comunicação sem fio e de transmissão de energia. O Museu Tesla, em Belgrado, Sérvia, foi criado e dedicado ao inventor, e a tesla, unidade de densidade de fluxo magnético do sistema MKS, foi assim denominada em 1956 em sua honra.

Samuel Finley Breese MorseSamuel Finley Breese Morse

Inventor norte-americano que ganhou notoriedade em todo o mundo depois de projetar o sistema de comunicação por meio de sinais, conhecido como código Morse.

27/04/1791  02/04/1872

Pintor e inventor, Samuel Finley Breese Morse nasceu em Charleston, Massachusetts (EUA), em 1791, filho do reverendo Jedidiah Morse, compilador da primeira geografia americana. Graduado em Yale, em 1810, Morse se interessava por eletricidade, fenômeno até então pouco compreendido, mas seu gosto por retratos em miniatura e pela pintura romântica o fez, inicialmente, dedicar-se às artes plásticas. Assim, entre 1810 e 1815, foi estudar pintura e desenho no Reino Unido.

Neste período, durante uma viagem pela França, conheceu Louis-Jacques Daguerre, que também era pintor e havia inventado um processo de fixação de imagens, precursor da fotografia, que ficou conhecido como daguerreótipo. Morse levou a novidade pars os EUA e lá o desenvolveu. O sucesso da nova técnica foi o primeiro passo para a fundação, em 1826, da National Academy of Design, da

qual se tornou presidente. Em 1832, quando soube que, um ano antes, em 1831, o cientista inglês Michael Faraday comprovara que impulsos elétricos podiam ser transmitidos através de fios e que o físico norte-americano Joseph Henry criara o primeiro eletromagneto, Morse voltou a se interessar por ciência e resolveu dedicar-se ao desenvolvimento de transmissores e receptores de sinais elétricos.

Em 1838, Morse conectou diversos equipamentos magnéticos e construiu seu primeiro aparelho telegráfico, apresentando-o ao presidente Martin Van Buren, em Nova York, na mesma ocasião em que demonstrou o sistema de transmissão que, pela primeira vez, conseguia enviar mensagens de maneira inteligível por meio de fio, o qual recebeu o nome de código Morse. Quatro anos depois, o cientista iniciou suas experiências com cabos telegráficos submarinos e, no mesmo ano, obteve do Congresso dos EUA recursos financeiros para instalar a primeira linha telegráfica comercial dos país, ligando Baltimore e Washington. Na inauguração, em 1844, Morse transmitiu sua primeira mensagem: What hath God wrought! (Que obra fez Deus!).

Morse enfrentar uma batalha judicial com seus sócios pelos direitos de patente, cuja disputa terminou em 1854 quando a Suprema Corte dos Estados Unidos lhe deu ganho de causa. Assim, o telégrafo só começou a render-lhe dinheiro em 1858, quando conseguiu vender seu sistema para outros países como Áustria, Bélgica, França, Noruega, Rússia, Suécia e Turquia, fazendo com que ficasse famoso em todo o todo o mundo.

Thomas Alva EdisonThomas Alva Edison

Inventor norte-americano que registrou 1.093 patentes, sendo a mais conhecida a da lâmpada incandescente.

11/02/1847  18/10/1931

Thomas Alva Edison nasceu na Milan, Ohio (EUA), filho de um operário de ferro-velho e de uma dona de casa, que foi a responsável por sua alfabetização. Aos 12 anos, Edison começou a trabalhar como vendedor de jornais e livros e, logo depois, como telegrafista de uma ferrovia, o que lhe deu a oportunidade de, durante a Guerra de Secessão, instalar uma impressora num vagão de trem e fundar seu próprio semanário, “The Weekly Herald”, do qual era redator, impressor e vendedor.

Desde criança, Edison demonstrou curiosidade e grande poder de observação. Quando a família se mudou, em 1854, para uma casa espaçosa em Port Huron, Michigan, Edison instalou um laboratório de química no sótão, onde durante dias realizava experiências científicas e fabricando aparelhos, como telégrafos rudimentares. Aos 21 anos, patenteou seu primeiro invento: um contador automático de votos. Dois anos depois, fundou em Newark, Nova Jersey, uma empresa especializada na fabricação de um aparelho que transmitia telegraficamente as cotações da bolsa e que lhe proporcionou muitos ganhos.

Em 1872, Edison mudou-se para Menlo Park, perto de Nova York, onde iniciou intensas pesquisas em diferentes áreas da tecnologia, o que lhe proporcionou o apelido de “o feiticeiro”. Desse laboratório saíram 1.093 invenções patenteadas, como um dispositivo para agilizar as transmissões telegráficas; uma pena elétrica que simplificava a duplicação em mimeógrafo; um receptor sonoro que permitiu o aperfeiçoamento do telefone inventado por Graham Bell; um aparelho de ar comprimido conhecido como aerofone, que parecia uma trombeta e aumentava o volume da voz humana tornando-a audível à distância; um regulador de corrente para máquinas elétricas; um aparelho de alto vácuo; e um medidor elétrico.

Dentre todos os seus inventos, porém, os que mais se destacaram e tiveram repercussão foram o fonógrafo, criado em 1877, e a lâmpada incandescente, inventada em 1879. Esta contava com um filamento de carvão muito fino, mantido no interior de um bulbo de vidro, submetido a vácuo. Em 1880, depois do estrondoso sucesso da lâmpada incandescente, Edison construiu a primeira lâmpada elétrica industrializável e, entre 1881 e 1882, projetou e construiu a primeira usina termelétrica, que fornecia energia para lâmpadas incandescentes no distrito financeiro de Nova York. Além disso, em 1883, patenteou a chamada Válvula de Edison, precursora da válvula do rádio, formada por uma lâmpada incandescente com uma placa metálica no interior, em volta do filamento. Durante a construção de sua válvula, Edison descobriu o efeito termiônico, também conhecido como Efeito Edison – a formação de uma corrente elétrica entre o filamento aquecido e a placa metálica, no vácuo parcial. O efeito termiônico veio a se tornar base para a construção da primeira válvula eletrônica, muitos anos depois.

Em 1887, Edison associou-se ao inglês Joseph Wilson Swan (1828-1914) para produzir as lâmpadas industriais Ediswan e, no ano seguinte, fundou a Edison General Electric, empresa que se transformou numa das maiores fabricantes multinacionais de lâmpadas e equipamentos elétricos leves e pesados. Em 1894, Edison aventurou-se no mundo das imagens em movimento, inventando o filme perfurado

e fazendo uma série de pequenas amostras em seu estúdio, o Black Maria, primeiro da história do cinema. Os filmes de Edison não eram projetados em tela, mas no interior do cinetoscópio, equipamento também inventado por ele, que permitia que as imagens fossem vistas por um espectador de cada vez.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Edison trabalhou ainda para o governo norte-americano, introduzindo diversos melhoramentos em navios e embarcações pequenas e aperfeiçoando métodos de produção de substâncias químicas.

Vladimir Kosma ZworykinVladimir Kosma Zworykin

Físico e engenheiro eletrônico russo, naturalizado americano, fundamental por suas pesquisas no desenvolvimento da televisão.

30/07/1889  29/07/1982

Vladmir Kosma Zworykin começou a interessar-se por eletrônica ao entrar para o Instituto Imperial de Tecnologia e fazer amizade com o professor Boris Lvovich Rosing, que, impressionado com a inteligência e a criatividade do jovem candidato a engenheiro, deixou-o trabalhar em alguns dos seus projetos.

Em 1910, Rosing estava tentando transmitir imagens de quadros através de fios, no próprio laboratório. Com a colaboração de seu jovem assistente, desenvolveu um experimento empregando um tubo de raios catódicos primitivo, desenvolvido na Alemanha por Karl Ferdinand Braun (1850-1918). A experiência levou um ano para funcionar certo e eles transmitirem uma imagem por meio de fios. Em 1912, depois de se formar com honras no Instituto de Tecnologia de São Petersburgo, Zworykin ganhou uma bolsa de estudos em engenharia elétrica no Collège de France, em Paris, e lá iniciou uma pesquisa, em parceria com o físico francês Paul Langevin, sobre os recém-descobertos raios X.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Zworykin serviu no exército russo e, logo depois, em 1919, emigrou para os Estados Unidos para trabalhar no laboratório da Westinghouse, em Pittsburgh, na Pensilvânia. Um ano depois, ele inventou o iconoscópio, o precursor do tubo de imagem utilizado nas televisões e equipamento fundamental para o desenvolvimento das câmeras de filmagem. Em 1926, trabalhando na Universidade de Pittsburgh, Zworykin, que se naturalizara cinco anos antes, terminou seu doutorado e inventou o cinescópio, um tubo reverberador de raios catódicos, e o receiver, aparelho que acabou com os últimos obstáculos para a veiculação de imagens em movimento. Entretanto, como o cinescópio só produzia imagens sob a luz solar, Zworykin passou a aperfeiçoá-lo e, após diversas tentativas, construiu o órticon, que se tornou o tubo padrão para o sistema de transmissão de imagens em preto e branco.

Em 1929, tornou-se diretor do Laboratório de Pesquisa Eletrônica da Radio Corporation of America (RCA), em Camden, Nova Jersey, onde deu prosseguimento às suas pesquisas sobre eletrônica aplicada ao mundo da imagem televisiva, trabalhando no aperfeiçoamento do seu sistema e no desenvolvimento da televisão colorida. Zworykin também dirigiu a equipe que produziu, em 1939, um poderoso microscópio eletrônico, que atingia uma resolução muito maior que a do microscópio convencional. Entre 1954 e 1962, atuou como diretor do Centro de Eletrônica Médica do Rockefeller Institute for Medical Research, hoje Rockefeller University.

Wilhelm Conrad Roentgen 01Wilhelm Conrad Röntgen

Engenheiro mecânico e cientista alemão descobridor dos raios X.

27/03/1845  10/02/1923

Wilhelm Conrad Röntgen era filho único de um fabricante de roupas e comerciante da província de Reno, na Alemanha. Ao completar três anos, a família se mudou para Apeldoorn, na Holanda, e Röntgen passou a frequentar o internato Martinus Herman van Doorn, onde preferia as atividades ao ar livre e os trabalhos manuais aos estudos.

Aos 16 anos, impedido de ingressar na Universidade de Utrecht por ter sido expulso da escola secundária, Röntgen resolveu cursar a escola técnica e, depois de dois anos e meio, passou nos exames para engenharia mecânica na Universidade Politécnica de Zurique, na Suíça. Graduou-se em 1868 e, um ano mais tarde, recebeu o grau de doutor em filosofia, tornando-se assistente do professor de física August Kundt, cuja amizade e apoio impulsionaram sua carreira.

Em 1871, Röntgen seguiu com Kundt para a Universidade de Würzburg e, três anos mais tarde, para Estrasburgo, onde se tornou tutor na universidade local. Quatro anos depois, foi contratado como professor da Academia de Agricultura de Hohenheim, em Wurtemberg, onde escreveu diversos artigos científicos que lhe renderam um convite para ocupar a cátedra de física na Universidade de Giessen. Em 1888, voltou Würzburg , onde lhe ofereceram os postos conjuntos de professor de física e diretor do Instituto de Física da Universidade Real. Seis anos depois, Röntgen tornou-se reitor da Universidade.

Em 1895, fez a sua mais importante descoberta – os raios X -, ganhando, além de fama internacional, o título de doutor honorário em medicina e de membro das academias de Berlim e Munique. A descoberta dos raios ocorreu acidentalmente. Röntgen observava os já conhecidos raios catódicos, utilizando um tubo a vácuo inventado pelo inglês William Crookes, que também fazia investigações sobre eletricidade. Röntgen percebeu, então, que uma tela que estava em uma bancada próxima ao tubo de Crookes brilhava intensamente quando atingida por uma luz que era emitida pela parte do tubo oposta ao catodo. Após algumas semanas de observação, Röntgen descobriu que tais raios tinham um enorme poder de penetração e eram capazes de revelar e imprimir o contorno dos ossos em chapas metálicas.

Em 1896, a Royal Society de Londres concedeu a Röntgen a medalha Rumford e, em 1901, foi agraciado com o prêmio Nobel de Física. Após sua aposentadoria, em 1920, recolheu-se em sua casa de campo em Weilheim, próximo a Munique, onde tinha uma vasta biblioteca. Röntgen realizou estudos sobre elasticidade, capilaridade, calores específicos e condução calorimétrica em gases, cristais etc. Alguns anos após a sua morte, seu nome passou a designar a unidade de medida de exposição de um corpo a uma radiação eletromagnética.